Falhas em armas causam acidentes e geram muitas reclamações

Falhas em armas causam acidentes e geram muitas reclamações

Em alguns casos, a arma dispara sozinha. Em outros, ela falha.
A Taurus informou que todas as armas passam por revisão rigorosa.

Pedro Neville Rio de Janeiro, RJ

A principal fábrica de armas usadas pela Polícia no Brasil virou alvo de reclamações. As armas às vezes disparam com apenas alguns movimentos. E às vezes, elas falham exatamente na hora do tiro.

Um policial civil comprou uma pistola modelo PT 100, da fabricante Taurus, que chegou neste mês. Em tese, a fabricante testou a arma, que deveria estar em perfeito funcionamento. Mas tem falhas grosseiras na confecção. A mais grave delas é o erro de alinhamento da munição com o cano. O policial constata: “eu acho que se eu fosse usar essa arma imediatamente, eu estaria imediatamente morto, porque ela não iria funcionar”.

Em 2013, o policial Alexandre Castro, de Goiânia-GO, deixou cair no chão uma pistola da Taurus, que disparou e o atingiu. Ele perdeu o movimento da perna direita, que já foi operada cinco vezes. “quando a minha arma caiu, não era para disparar, né? Ela não era pra disparar de forma alguma e ela disparou”.

Alexandre criou um site chamado Vítimas da Taurus e começou a reunir histórias parecidas com a dele. A página mostra flagrantes de falhas grosseiras nas armas dessa fabricante. Num deles, um homem tenta atirar várias vezes e a arma falha. Em outro vídeo, o homem simplesmente sacode a arma e ela dispara.

A Polícia Civil do RJ fez um teste pra avaliar a eficiência das pistolas e separou lotes de dois dos modelos mais usados por policiais civis e militares no estado. A perícia aconteceu nos dias 31 de março e 1º de abril e agora saiu o resultado: das 55 pistolas testadas, todas compradas há no máximo de dois anos pela Polícia Civil, 36 apresentaram problemas.

Primeiro foram testadas 35 pistolas da Taurus modelo PT 940. Logo no quinto tiro da primeira arma testada, a pistola parou com o ferrolho aberto e o atirador não pôde continuar. Na segunda, depois do primeiro tiro, houve uma falha de extração da cápsula. Em resumo, dessas, 20 apresentaram pelo menos uma falha.

A segunda perícia foi feita em pistolas Taurus do modelo PT 840: das 20 pistolas testadas, 16 apresentaram problemas.

Em 2009, a Secretaria de Segurança do RJ investiu R$ 6 milhões na compra de mais de 1300 carabinas da Taurus. Mil delas apresentaram problemas e a troca das armas defeituosas só acabou neste ano.

E por que a Polícia não providencia armas de outras empresas? A resposta é simples: no Brasil existe uma lei que determina que a Polícia só compre armas fabricadas no país, a menos que haja um modelo no exterior que não tenha um similar por aqui. E o país tem somente duas fabricantes e é justamente a Taurus que produz os modelos mais voltados para o trabalho da Polícia nas ruas.

O problema é que as armas dos criminosos não se restringem às fabricadas aqui no país e aí eles podem levar vantagem num confronto, como analisa o especialista em Segurança Pública, Paulo Storani: “o criminoso vai conseguir uma arma com muito melhor qualidade e com muito mais facilidade. na verdade uma facilidade que as polícias poderiam encontrar é comprando equipamento internacional. isso obrigaria as fábricas nacionais a aumentarem seu padrão, melhorarem sua linha de produção”.

Para o Coronel Ubiratan Ângelo, ex-comandante geral da PM, o policial precisa poder confiar na arma que utiliza: “a arma tem que ser uma arma extremamente eficaz, para que ele confie na arma e atire menos. Consequentemente, se a arma traz problemas, ele fica mais exposto à vitimização e mais proposto à letalidade”.

img-20160228-wa00671Armas com defeito põem policiais paulistas em risco

Rafael Ribeiro
do Agora  28/02/2016

Defeitos de fabricação nas armas, principalmente as pistolas de calibre ponto 40, vêm colocando em risco a vida dos policiais militares e civis do Estado de SP.

A situação ficou ainda mais evidente após o delegado José Antônio do Nascimento, então titular do 90º DP (Parque Novo Mundo), ser morto num assalto em São Caetano do Sul (ABC).

Na última semana, o DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa) revelou que a perícia confirmou que a arma do delegado falhou quando ele tentou reagir.

A Secretaria da Segurança Pública, porém, diz que o laudo não é conclusivo.

O Agora tenta, desde a noite da última quinta-feira, ouvir a Taurus, Secretaria Estadual da Segurança Pública e o Comando Geral da Polícia Militar sobre as falhas em armas das polícias paulistas, mas não obteve resposta até a conclusão desta edição.

Também não foram fornecidos dados sobre valores e quantidade de armas compradas da Taurus e que estão em uso pelas polícias ou foram para recall nem se o Estado tenta reaver o valor gasto com armamento falho ou se pretende devolvê-lo à fábrica.

Armas com defeito põem vida de policiais em risco

Sete policiais foram atingidos por disparos das próprias armas desde dezembro em Ribeirão

Jornal A Cidade 13/10/2013

Os ferimentos causados por disparos involuntários das próprias armas, que esta semana feriram com gravidade um investigador da Polícia Civil de Ribeirão Preto e atingiram na perna um soldado da Polícia Militar, não são casos isolados. Um levantamento informal feito por um integrante da Polícia Militar de Ribeirão Preto no Estado revelou que, entre os dias 1º e 6 do mês passado, oito “maikes” foram alvejados pelas próprias armas, que teriam disparado sozinhas. A expressão é uma gíria interna para a sigla da corporação no alfabeto fonético internacional (Papa Mike).

Em Ribeirão Preto, desde dezembro do ano passado, sete policiais já teriam sido atingidos por armas que disparam sozinhas. À exceção de um caso, que envolveu uma carabina CT30, os demais policiais atingidos utilizavam modelos PT 24/7 e PT 640, fabricados pela empresa gaúcha Forjas Taurus S/A.

Por isso, entre os integrantes das forças de segurança a PT 24/7 ganhou o apelido nada carinhoso de “24 falha 7”. No Rio de Janeiro, os integrantes do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais) também têm um nome próprio para a arma, feita de polímero (tipo de plástico): “barbie derretida”.

Os problemas com a PT 24/7 (usada em grande parte pela PM) e a PT 640 chegaram ao ponto de a Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo ter de fazer um gigantesco recall, entre abril e setembro deste ano. No total, 77 mil armas foram recolhidas nesse período, de acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Benedito Roberto Meira.

Para se ter uma ideia da dimensão do recall, entre 2003 e 2011, o governo do Estado comprou 79.796 pistolas Taurus PT 24/7 Pro e 19.216 da PT 640. As informações estão presentes no ofício Nº Gab Cmt G-0236/500/13, de 24 de junho deste ano, assinado pelo chefe de gabinete do comandante geral da PM paulista, José Luiz Valentin.

Em Ribeirão Preto, segundo o mesmo integrante da PM, os números das falhas das pistolas, sobretudo a “24 falha 7” são assustadores: em um lote de 400 armas verificadas, nada menos do que 100 apresentaram defeitos.

Por que as ‘barbies’ derretem?

Os problemas com as semiautomáticas da Taurus não são pontuais, mas decorrem de um erro de projeto. “Elas não têm problemas, são um problema, uma verdadeira aberração técnica, que tem problemas estruturais. É uma arma que não tem solução”, afirmou o especialista em armamento, Fábio Junqueira.

“Eu fiz testes em armas que vieram do recall e, mesmo assim, continuaram apresentando os mesmos problemas”, completou.

Ele trabalhou durante 15 anos como instrutor de tiro para a polícia nacional do Uruguai, treinou a equipe responsável pela segurança presidencial e implantou o sistema de padronização de treinamento naquele país. No Brasil, é credenciado pelo Exército como atirador e instrutor de tiro.

Em junho, postou um vídeo no You Tube, onde mostra os principais problemas da 24/7. As imagens mostram, entre outros problemas, a arma disparando sozinha – mesmo com a trava de segurança acionada – e travamento do gatilho após pressão nos dois lados da área acima da peça.

Fábio também destaca problemas no sistema de rampeamento (acesso da bala à câmara), balas emperradas e um gatilho com curso muito longo, o que retardaria o tempo de disparo. “Isso [a arma] tem defeitos graves”, disse.

Um dado, segundo Junqueira, mostra por que a semiautomática da Taurus falha tanto. “Para se ter uma ideia, essa arma é composta por cerca de 60 peças. A Glock austríaca, utilizada por várias polícias do mundo, tem menos de 30. Ou seja, as chances de dar problema são menores”, completou. O vídeo dele no You Tube sobre as mazelas da PT 24/7 já teve 66 mil visitas.

Outro vídeo postado pelo especialista no Youtube já teve 11 mil visitas, ao apontar erros em outra arma da Taurus, a submetralhadora SMT40 Famae. A arma também é utilizada pela PM de São Paulo.

Informações

Os problemas com as pistolas da Taurus estão na mira do Poder Legislativo. Desde abril, o deputado estadual e major aposentado da PM, Olímpio Gomes (PDT), investiga os problemas com as armas.

“Estou pedindo ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado uma fiscalização geral para que seja feita a apuração das condições contratuais”, afirmou o parlamentar.

Além disso, o deputado do PDT também defende uma investigação que apure as responsabilidade pelas falhas das armas. “Se elas já vieram com defeito, como é que isso não foi detectado em testes criados para saber se são seguras ou não?”, perguntou.

Segundo Olímpio Gomes, denúncias que ele recebeu de diversos oficiais da Polícia Militar dão conta que, de cada 30 armas testadas, entre sete 3 10 apresentaram problemas. A margem de erro fica ligeiramente acima da registrada em Ribeirão Preto.

O armeiro ribeirão-pretano Calixto Teixeira Júnior, de 55 anos, concorda que a PT 24/7 tem problemas, sobretudo em uma peça interna que impede disparos acidentais. Mas ele também sustenta que grande parte dos disparos acidentais pode estar ligado a uma “tradição” na polícia brasileira: a falta de manutenção das armas, por parte dos policiais.

“Isso aqui é uma máquina, como um carro. Tem de trocar o óleo, verificar os freios, tudo isso para que funcione sempre bem. Senão, quebra”, contou.

Ele disse já ter consertado armas que estavam sem manutenção há mais de dez anos, com parte enferrujadas, corroídas pelo ácido úrico e com munição sem condições de uso. “Se o policial tiver de usar uma armas dessas, corre perigo porque não dispara”, completou.

Dono de um estabelecimento de venda e reparos de armas e há 25 anos trabalhando como armeiro, ele disse que uma possível explicação para os defeitos das armas pode estar em uma determinação das duas polícias.

“Tanto a PM quanto a Civil pedem para que os seus homens trabalhem com as armas com munição na câmara e com a trava de segurança acionada, por causa da necessidade de uma resposta rápida em caso de confrontos”, disse.

Segundo ele, a falta de uso – associada à baixa manutenção do equipamento – acabam por aumentar a possibilidade de falha das armas.

Armas custaram mais de R$ 170 milhões

A Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública não informou quanto o contribuinte paulista pagou na compra dos dois modelos da Taurus – que apresentaram problemas. No entanto, o jornal apurou que esse valor pode ser, no mínimo, de R$ 170 milhões.

O número foi encontrado na multiplicação entre a quantidade de armas informada pela PM à Assembleia Legislativa (99.012), em junho deste ano, e o valor unitário de cada modelo, presente em contratos publicados no Diário Oficial do Estado.

No caso da PT 640, um contrato de 10 de julho de 2007 indica um preço unitário de R$ 1.670. No mesmo contrato, a PT 24/7 conta com preço unitário de R$ 1.725.

A venda das armas ao Estado é feita sem licitação, de acordo com a lei federal 8.666/93. A ausência de concorrência é explicada pelo fato de só a Taurus atender às especificações de armas apresentadas pelo governo do Estado.

Polícia Militar e Taurus dão meias-respostas

A empresa Forjas Taurus S/A e as polícias Civil e Militar do Estado responderam evasivamente às questões enviadas pelo jornal.

A Taurus disse que quando recebe informações de problemas, “imediatamente aciona a sua manutenção técnica”, o que aconteceu no estado de São Paulo.

Já a PM informou apenas que pediu a substituição de um lote inteiro de armas, sem informar a quantidade.

No dia 25 de setembro, o jornal enviou 14 questões à Taurus e 16 à PM. Entre elas, o jornal perguntava o que explicava os problemas com as armas, quantos policiais já haviam sido atingidos por disparos das próprias armas, quanto custaram, quantas estão em uso, se os consertos tinham custos e se, tanto a PM como a Taurus, tinham conhecimento de problemas com a submetralhadora Famae. Nenhuma questão foi respondida.

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de:

FANTÁSTICO: MPF abre ação contra fabricante de armas Taurus por disparos acidentais

Segundo os promotores, defeitos de fabricação colocam em